Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

» » » » Uso dos bens

Estamos empenhados em buscar juntos as indicações para os vários aspectos da vida cristã. E um dos grandes desafios para os cristãos é o uso dos bens da terra. Somos iluminados pela Palavra de Deus e pelos desdobramentos dela nascidos, presentes no Ensino Social da Igreja. Ao participar da Missa do domingo, ouviremos o texto do Evangelho de São Lucas que nos orienta nesta direção (Lc 12,13-21): “Alguém do meio da multidão disse a Jesus: ‘Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo’. Ele respondeu: ‘Homem, quem me encarregou de ser juiz ou árbitro entre vós?’ E disse-lhes: ‘Atenção! Guardai-vos de todo tipo de ganância, pois mesmo que se tenha muitas coisas, a vida não consiste na abundância de bens’. E contou-lhes uma parábola: ‘A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: Que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita. Então resolveu: Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 
Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, goza a vida! Mas Deus lhe diz: Tolo! Ainda nesta noite, tua vida te será tirada. E para quem ficará o que acumulaste? Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não se torna rico diante de Deus”.

Não é difícil encontrar situações em que a partilha de heranças resultou em grandes litígios entre familiares. É também conhecido o que acontece com o dinheiro de loteria, quando a importância recebida sem luta e sem o suor do rosto resulta em gastanças e malversação dos bens. E nem ficam distantes de nós as brigas no interior por causa de meio metro de cerca, ou os assassinatos e chacinas que ainda se multiplicam, manchando de sangue esta terra de Deus.
Afinal de contas, é justo acumular os bens e buscar o sustento pessoal e familiar adequado? É pecado investir dinheiro, mesmo que seja no meio mais simples que é a poupança? E posso desejar ter bens como casa, carro e outras expressões de conforto? Posso julgar aquela pessoa que luta com todas as forças para ter casa própria, e se sente contente por ter, mesmo que seja com simplicidade e limites, aquele bem tanto desejado?

Acolhamos a palavra do Papa Francisco: “Não somos Deus. A terra existe antes de nós e foi-nos dada. Isto permite responder a uma acusação lançada contra o pensamento judaico-cristão segundo a qual a narração do Gênesis, que convida a dominar a terra (Cf. Gn 1, 28), favoreceria a exploração selvagem da natureza, apresentando uma imagem do ser humano como dominador e devastador. Mas esta não é uma interpretação correta da Bíblia, como a entende a Igreja. Se é verdade que nós, cristãos, algumas vezes interpretamos de forma incorreta as Escrituras, hoje devemos decididamente rejeitar que, do fato de ser criados à imagem de Deus e do mandato de dominar a terra, se deduza um domínio absoluto sobre as outras criaturas. É importante ler os textos bíblicos no seu contexto e lembrar que nos convidam a cultivar e guardar o jardim do mundo (Cf. Gn 2, 15).
 Cultivar quer dizer lavrar ou trabalhar um terreno, guardar significa proteger, cuidar, preservar, velar. Isto implica uma relação de reciprocidade responsável entre o ser humano e a natureza. Cada comunidade pode tomar da bondade da terra aquilo de que necessita para a sua sobrevivência, mas tem também o dever de a proteger e garantir a continuidade da sua fertilidade para as gerações futuras. Em última análise, ‘ao Senhor pertence a terra’ (Sl 23, 1), a ele pertence ‘a terra e tudo o que nela existe’ (Dt 10, 14)” (Cf. Laudato si 67-68).

O Compêndio da Doutrina Social da Igreja (Número 172) ensina que o princípio da destinação universal dos bens da terra está na base do direito universal ao uso dos bens. Todo o homem deve ter a possibilidade de usufruir do bem-estar necessário para o seu pleno desenvolvimento. O princípio do uso comum dos bens é o primeiro princípio de toda a ordem ético-social e princípio típico da doutrina social cristã. Trata-se, antes de tudo, de um direito natural, inscrito na natureza humana. É inerente a cada pessoa, e é prioritário em relação a qualquer intervenção humana sobre os bens, a qualquer regulamentação jurídica dos mesmos, a qualquer sistema e método econômico-social. Todos os outros direitos, quaisquer que sejam, incluindo os de propriedade e de comércio livre, estão-lhe subordinados: não devem portanto impedir, mas, pelo contrário, facilitar a sua realização; é um dever social grave e urgente conduzi-los à sua finalidade primeira.

Nós temos necessidade do pão de cada dia, e Deus nos ensinou a pedir este pão. Precisamos de tudo o que nos serve, roupa, casa, trabalho. O que Deus condena é a cobiça, o desejo incontrolável da posse e do poder, a arrogância, o senso de superioridade ligado à riqueza. Trata-se da pessoa que diz ser segura apenas por ser rica, pensando ser autossuficiente, sem descobrir que os bens são um meio e não a finalidade da vida. É como perder de vista a meta da viagem da vida!

Algumas propostas podem ajudar-nos. Podemos rever as nossas posses e guardados, para verificar o que é supérfluo e pode ser colocado à disposição dos outros. Há muita coisa acumulada, com a desculpa de que um dia poderá servir, e nunca vem a ser utilizada. Podemos ainda comprometer-nos seriamente com obras a instituições que cuidam do serviço ao próximo e da caridade. Vale ainda abrir os nossos olhos, os braços e o bolso para fazer o bem ali bem pertinho de nós, onde existem pessoas sofrendo, e muitas vezes caladas ou oprimidas. Além disso, ao verificar o que nos cabe no ganho mensal, separar sempre o que é justo para devolver a Deus através do dízimo em nossa Igreja e o que pode ser partilhado em beneficência. E isso vale para todos, inclusive porque sabemos que as mãos mais pobres são as que mais se abrem para tudo dar!
alt

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará
Assessor Eclesiástico da RCCBRASIL

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga