Congresso Arquidiocesano

Congresso Arquidiocesano

Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

» » » » Não ser indiferente a dor dos irmãos e levar a esperança

No mês de setembro todos são convocadas, de modo especial, a dar suporta as pessoas que sofrem não somente as dores físicas, mas também as dores da alma. Como cristãos somos convidados a redobrar a nossa atenção e cuidado aos irmãos, ouvir suas angústias, medos, sofrimentos e por eles interceder.
Muitas dessas pessoas abatidas por suas tristezas são incapazes de contemplar a sacralidade da vida e o brilho da esperança. Portanto, é nossa missão lembra-las da sua dignidade, levando esperança e não sendo indiferentes a sua dor.

Te convido a ler o parágrafo dois da encíclica Evangelium Vitae – “Sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana” – de São João Paulo II.

O valor incomparável da pessoa humana

O homem é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito para além das dimensões da sua existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus.

A sublimidade desta vocação sobrenatural revela a grandeza e o valor precioso da vida humana, inclusive já na sua fase temporal. Com efeito, a vida temporal é condição basilar, momento inicial e parte integrante do processo global e unitário da existência humana: um processo que, para além de toda a expectativa e merecimento, fica iluminado pela promessa e renovado pelo dom da vida divina, que alcançará a sua plena realização na eternidade (cf. 1 Jo 3, 1-2). Ao mesmo tempo, porém, o próprio chamamento sobrenatural sublinha a relatividade da vida terrena do homem e da mulher. Na verdade, esta vida não é realidade “última”, mas “penúltima”; trata-se, em todo o caso, de uma realidade sagrada que nos é confiada para a guardarmos com sentido de responsabilidade e levarmos à perfeição no amor pelo dom de nós mesmos a Deus e aos irmãos.

A Igreja sabe que este Evangelho da vida, recebido do seu Senhor, encontra um eco profundo e persuasivo no coração de cada pessoa, crente e até não crente, porque se ele supera infinitamente as suas aspirações, também lhes corresponde de maneira admirável. Mesmo por entre dificuldades e incertezas, todo o homem sinceramente aberto à verdade e ao bem pode, pela luz da razão e com o secreto influxo da graça, chegar a reconhecer, na lei natural inscrita no coração (cf. Rm 2, 14-15), o valor sagrado da vida humana desde o seu início até ao seu termo, e afirmar o direito que todo o ser humano tem de ver plenamente respeitado este seu bem primário. Sobre o reconhecimento de tal direito é que se funda a convivência humana e a própria comunidade política.

De modo particular, devem defender e promover este direito os crentes em Cristo, conscientes daquela verdade maravilhosa, recordada pelo Concílio Vaticano II: “Pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-Se de certo modo a cada homem”. De facto, neste acontecimento da salvação, revela-se à humanidade não só o amor infinito de Deus que “amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho único” (Jo 3, 16), mas também o valor incomparável de cada pessoa humana.

A Igreja, perscrutando assiduamente o mistério da Redenção, descobre com assombro incessante este valor, e sente-se chamada a anunciar aos homens de todos os tempos este “evangelho”, fonte de esperança invencível e de alegria verdadeira para cada época da história. O Evangelho do amor de Deus pelo homem, o Evangelho da dignidade da pessoa e o Evangelho da vida são um único e indivisível Evangelho.

É por este motivo que o homem, o homem vivo, constitui o primeiro e fundamental caminho da Igreja.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga