Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

RCC Salvador realiza o I Fórum para as famílias

O I Fórum para as famílias, organizado pela Renovação Carismática Católica da Arquidiocese de São Salvador da Bahia, acontece no dia 05 de maio, das 8h às 17h30, na Igreja Nossa Senhora Conceição da Lapa. O objetivo do encontro é abordar sobre diversas temáticas a respeito da família, através de palestras, workshops, painel e mesa redonda, finalizando com a Santa Missa.

As palestras centrais terão duas temáticas: Família: projeto de Deus; e Família católica e transformações das relações familiares na atualidade. Além disso, quem participar do Fórum poderá escolher,no ato da inscrição, entre os seguintes workshops: Sexualidade Matrimonial; Método de Ovulação Billings; Casais de Segunda União e o processo de nulidade; Educação dos filhos

O Fórum contará com a presença de Dom Marco Eugênio, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Salvador da Bahia; Pe. Rafael Cerqueira Fornasier, Doutor em Ciências do Matrimônio e da Família, Diretor Executivo da Seção Brasileira do Pontifício, Professor da Universidade Católica do Salvador, sacerdote da Arquidiocese de Niterói-RJ e membro da comunidade Emanuel; Pe. José Vieira, Vigário Judicial do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano e de Apelação de Salvador; Josevaldo e Rosenilde, Coordenadores da Missão Casa de Maria; Anete Marçal, Psicopedagoga e psicoterapeuta, e Coordenadora do Ministério de Formação da RCC Salvador; Manuela Costa, Membro do Projeto Raquel, Rede Nacional em defesa da vida e da Família e dos apóstolos do Santo Rosário. 

**Teremos também o Ministério para as Crianças e Adolescentes que promoverá o Cenáculo com Maria**

O valor da inscrição para o evento é de R$ 10. O interessado em participar deve entrar em contato através do telefone (71) 9.8847 – 4970 // (71) 9.9130 – 5623 ou por e-mail: mpf.ssa@gmail.com.

Keyla Santos
Ministério de Comunicação Social da RCC Salvador

Reze com a segunda reflexão da campanha de oração do CHARIS

Em nossa jornada de preparação espiritual para o Pentecostes de 2019, já refletimos sobre a importância da oração para receber o Espírito Santo. Nesta segunda reflexão, meditaremos sobre a importância da conversão.
No Evangelho a palavra conversão se apresenta em dois contextos diferentes e é dirigida a duas categorias diversas de ouvintes. A primeira é dirigida a todos, a segunda àqueles que já haviam aceitado o convite à conversão e estavam neste processo por algum tempo. Vamos mencionar a primeira apenas para entender melhor a segunda que é mais interessante para nós, neste momento pelo qual passa a Renovação Carismática Católica. A pregação de Jesus começa com as palavras programáticas:
"Completou-se o tempo e o reino de Deus está próximo: fazei penitência e crede no Evangelho" (Mc 1,15).
Antes de Jesus, a conversão sempre significava um “retorno” (a palavra hebraica, shub, significa reverter o curso, refazendo os passos de alguém). Indica o ato de alguém que, em um certo momento da vida, percebe que está “fora do caminho”. Então ele para, reflete e decide retornar à observância da lei e retomar a aliança com Deus, fazendo uma verdadeira “inversão de direção”. A conversão, neste caso, tem um significado fundamentalmente moral e sugere a ideia de algo doloroso para realizar: mudar os costumes.
Este é o significado usual de conversão nos lábios dos profetas, até e incluindo João Batista. Mas nos lábios de Jesus esse significado muda. Não porque ele gosta de mudar os significados das palavras, mas porque, com a sua vinda, as coisas mudaram. “Completou-se o tempo e o Reino de Deus chegou!” A conversão não significa voltar à antiga aliança, à observância da lei, mas significa, sobretudo, dar um passo adiante e entrar no reino, agarrando-se à salvação dada aos homens gratuitamente por livre e soberana iniciativa de Deus.
Conversão e salvação invertem de posição. Não mais primeiramente a conversão e depois, como consequência, a salvação, mas ao contrário: primeiro a salvação, e depois como exigência desta, a conversão. Não mais: convertei-vos e o Reino estará entre vós, o Messias virá, como os últimos profetas haviam dito, mas: arrependei-vos porque o reino veio, está entre vós! Converter é tomar a decisão que salva, a “decisão da hora”, como as parábolas do reino a descrevem.
“Arrepender-se e acreditar” não significa, portanto, duas coisas diferentes e sucessivas, mas a mesma ação fundamental: convertei-vos, isto é, crede! Convertei-vos, crendo! Tudo isso requer uma verdadeira “conversão”, uma profunda mudança na maneira de entender o nosso relacionamento com Deus. Ele pede para passar da ideia de um Deus que pede, ordena, ameaça, para a ideia de um Deus que vem com as mãos cheias para nos dar tudo. É a conversão da “lei” para a “graça” que era tão cara a São Paulo.
Vamos agora ler o segundo contexto no Evangelho, no qual se fala de conversão: “Neste momento os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Quem é o maior no reino dos céus? Jesus chamou uma criancinha, colocou-a no meio deles e disse: em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas não entrareis no reino dos céus”(Mt 18, 1-4).
Desta vez, sim, essa conversão significa voltar, olhar para trás quando se era criança! O verbo usado, strefo, indica reversão. Esta é a conversão daqueles que já entraram no Reino, que já acreditam no Evangelho, que há muito tempo estão a serviço de Cristo. É a nossa conversão, de nós que temos participado durante anos, talvez desde o começo, da Renovação Carismática!
O que aconteceu com os apóstolos? O que a discussão sobre quem é o maior sugere? Que a maior preocupação não é mais o reino, mas o lugar que nele eu ocupo. Cada um deles tinha algum título para aspirar ser o maior: Pedro recebera a promessa da primazia, Judas cuidava do dinheiro, Mateus podia dizer que havia deixado mais coisas que os outros, André que tinha sido o primeiro a segui-lo, Tiago e João que haviam estado com Ele no Tabor... Os frutos dessa situação são óbvios: rivalidade, suspeita, confronto, frustração.
Voltarem a ser como crianças para os apóstolos, significava retornar ao que eles eram no momento do chamado nas margens do lago ou na mesa coletando impostos: despretensiosos, sem títulos, sem comparações entre eles, sem inveja, sem rivalidades. Ricos apenas de uma promessa (“Eu farei de vós pescadores de homens”) e de uma presença, a de Jesus, voltando ao tempo em que eles ainda eram companheiros de aventura, não competidores em busca do melhor posto. Para nós também, o sermos como crianças significa retornar ao momento em que, pela primeira vez, fizemos uma experiência pessoal com o Espírito Santo e descobrimos o que significa viver sob o senhorio de Cristo. Quando dizíamos: “Jesus nos basta!” E nós acreditávamos nisso.
Fico impressionado com o exemplo do apóstolo Paulo descrito em Filipenses 3. Após fazer a experiência de Jesus como seu Senhor, ele considerou todo o seu passado glorioso como perda, lixo, a fim de ganhar a Cristo e exercer a justiça derivada da fé nele. Mas, um pouco mais adiante, ele sai com esta afirmação: “Consciente de não tê-la ainda conquistado, só procuro isto: prescindindo do passado e atirando-me ao que resta para frente’ (Fp 3, 13). Que passado? Não mais de fariseu, mas de apóstolo. Percebeu o perigo de se ver com um novo ‘eleito’, possuidor de uma ‘justiça’ própria, derivada do que ele fizera a serviço de Cristo. Ele redefine tudo com essa decisão: ‘Eu prescindo do passado, e me atiro para o futuro”.
Como não podemos ver em tudo isto uma lição preciosa para nós da Renovação Carismática Católica? Um dos muitos slogans que circularam nos primeiros anos da Renovação – uma espécie de grito de guerra – era: “Restituindo o poder a Deus!” Talvez ele tenha sido inspirado no verso do Salmo 67, 35 “Reconhecei o poder de Deus!”, que na Vulgata foi traduzido como “Restituir (reddite) a Deus o seu poder”. Durante muito tempo, considerei essas palavras como a melhor maneira de descrever a novidade da Renovação Carismática. A diferença é que antes eu pensava que este clamor era dirigido ao resto da Igreja e nós éramos aqueles que estavam encarregados de fazê-lo ressoar; agora penso que se dirige a nós que, talvez sem perceber, nos apropriamos em parte do poder que pertence a Deus.
Em vista de um novo recomeço desta corrente de graça chamada Renovação Carismática, é necessário ‘esvaziar os bolsos’, redefinir-se, repetir com profunda convicção as palavras sugeridas pelo próprio Jesus: “Somos servos inúteis. Fizemos o que tínhamos que fazer” (Lc 17,10). Faça o propósito do Apóstolo: “Eu prescindo do passado, e me lanço para o futuro”. Vamos imitar os “vinte e quatro anciãos’ do Apocalipse que ‘depunham suas coroas diante do trono” e proclamavam: “Tu és digno, ó Senhor nosso Deus, de receber glória, honra e poder” (Ap 4, 10-11).
A palavra de Deus dirigida a Isaías é sempre atual: “Eis que faço obra nova: a qual já surge, não a vedes?” (Is 43, 19). Bem-aventurados somos nós se permitirmos que Deus faça a obra nova que ele tem em mente agora para nós e para a Igreja.
Minha sugestão para este tempo de oração: repetir várias vezes durante o dia uma das invocações dirigidas ao Espírito Santo na Sequência de Pentecostes, aquela que corresponde a sua maior necessidade:
Ao sujo, lavai.
Ao seco, regai,
curai o doente.
Dobrai o que é duro,
guiai no escuro,
o frio aquecei.
Pe. Raniero Cantalamessa, O.F.M Cap.
Assistente eclesiástico do CHARIS

Portal RCC Brasil

Missão Marajó completa 11 anos de atividade

Em 2019, a Renovação Carismática Católica do Brasil celebra 11 anos de Missão Marajó, pois, foi em maio de 2008 que os primeiros missionários chegaram à região para desenvolver um trabalho social e de evangelização naquela região. Mais tarde, em 2010 outra casa de missão foi inaugurada, na cidade de Afuá, também na Ilha do Marajó.
A primeira cidade a receber a Missão Marajó foi Breves (PA). Com cerca de 100 mil habitantes, o município fica próximo a Melgaço, Bagre e Portel e enfrenta muitos desafios, especialmente por conta da falta de políticas públicas na área de saúde, educação, habitação, saneamento básico e segurança pública. Outro grande problema da região é o desemprego que, muitas vezes, acarreta fome e necessidades básicas a muitas famílias.  A educação precária, também, acontece tanto na cidade quanto na zona rural.  Em março de 2019, por exemplo, muitos alunos ainda não conseguiram completar o ano letivo de 2018, pois a falta de pagamento dos professores gerou greve dos educadores prejudicando assim o ensino de todo município.
RCCBRASIL e Comunidade Presença caminham juntas na missão de evangelizar
Em maio de 2018, a casa da Missão Marajó em Breves recebeu novos missionários. Uma parceria entre a RCCBRASIL e a Comunidade Católica Presença, enviou os missionários Cleunice Eleutério, Antonio Carlos Vale e Manoel de Jesus Bontá (membros da Comunidade Presença) para desempenharem as atividades na cidade.
A RCCBRASIL iniciou essa parceria com a Comunidade Presença, impulsionando as atividades e levando a Palavra de Deus e um trabalho social ao coração de muitos bravenses. Atendendo a um público bem diversificado, a missão trabalha especialmente na Paroquia Sant´Ana e comunidades ribeirinhas. Entre os principais trabalhos estão:  
Rádio Santana
A missão tem dois espaços na Rádio local:  o “Terço da Misericórdia” é rezado de segunda a sexta-feira ao vivo pelos missionários e também o programa “Adoremos ao Senhor”, transmitido toda quinta-feira às 8h.
Celebração da Palavra e Liturgia
Semanalmente os missionários realizam reflexões e exercem o ministério para a celebrações da Palavra na comunidade Pai Eterno e, quando necessário, em outros lugares.  
Formações e Pregações 
Na área da formação os missionários têm atendidos em diversos lugares e diferentes ações evangelizadoras e também há um trabalho específico na Comunidade Pai Eterno que é continuo. As formações são direcionadas para pastorais, movimentos e lideranças.
Adoração
A  missão proporciona momentos de intimidade e de profunda experiência com Jesus  por meio de adorações. Elas acontecem nas comunidades e Paróquia Sant´Ana.
Evangelização nas Comunidade Ribeirinhas
Momentos de formações, pregações, evangelização, visitas porta a porta, adorações e celebrações da palavra são realizadas com frequência também nas comunidades ribeirinhas, ou seja, aquelas comunidades que estão situadas as beiras dos rios e onde na maioria das circunstâncias os sacerdotes realizam visitas somente uma vez ao ano.
Atendimento de oração
Semanalmente os missionários estão na Paróquia para atendimento de oração, aconselhamentos para crianças, jovens e adultos.
Crianças e Adolescentes
São realizadas, de maneira especial, momentos de evangelização e promoção de medidas socioeducativas na comunidade a fim de preservar entre as crianças valores da família, moral e cristãos. A evangelização com adolescentes é também realizada em escolas.
Seminários de Vida nas Comunidades Ribeirinhas
Em parceira com a RCC da Paróquia Sant´Ana, a Missão promove Seminário de Vida ao longo dos rios da ilha, os seminários de vida acontecem em um conjunto de comunidades ribeirinhas próximas e a cada semana uma comunidade sedia o evento. 
Barco Novo Pentecostes
O barco, nomeado “Novo Pentecostes” foi adquirido em 2010 e tem capacidade para transportar até 40 passageiros. O barco é utilizado para que os missionários cheguem até as comunidades ribeirinhas levando formação, evangelização e prestação de serviços. Manutenção, reformas e o profissional condutor da embarcação são mantidos financeiramente também pela Missão Marajó.
Daqui a pouco, mais novidades para a missão!
Conforme os missionários se organizam na cidade, novos projetos começam a surgir, entre eles, o Recanto Pastorinho, um projeto socioeducativo da Comunidade Presença que atende crianças no contra turno da escola. O projeto acontece a partir de oficinas diversas com o objetivo de resgatar a dignidade humana e valores cristãos. Os missionários estão na fase de cadastramento das crianças e a primeira oficina do projeto será de reforço escolar.
Seja um responsável por tornar tudo isso possível! Seja um contribuinte do Projeto Semeando a Vida no Espírito e ajude o crescimento das atividades missionárias da RCCBRASIL na Ilha do Marajó. Esse valor ajuda a manter as atividades que necessitam do barco Novo Pentecoste e também a Rádio Santana, além da Casa de Missão em Afuá.Faça seu cadastro e saiba mais acessando www.rccbrasil.org.br/semeando.

Portal RCC Brasil

Jesus é reconhecido pelo povo como um grande Rei

A Semana Santa é um tempo onde a liturgia da Igreja nos convida a olhar para dentro de nós mesmos e contemplarmos o amor de Jesus pela humanidade, por isso inicia-se com o Domingo de Ramos por este fato ser um acontecimento tão significativo na Missão de Jesus. A Igreja compreende a grande importância espiritual do ato de Jesus entrar em Jerusalém montado em um jumentinho e sendo reconhecido pelo povo como um grande Rei – o Messias – aquele que vem em nome de Deus. De fato, quando Nosso Senhor entrou em Jerusalém – a cidade dos Patriarcas – montado em um jumentinho que simboliza fragilidade e humildade, Ele quis deixar claro que a sua realeza não é deste mundo e que a salvação que veio nos oferecer é, sobretudo, a libertação do pecado e a consequente ressurreição para a vida eterna cujo advento supõe a abolição da condição temporária e, portanto, a restauração do estado primitivo e do sentido da eternidade.
Com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, Jesus nos ofereceu a possibilidade do reato definitivo com Deus que nos possibilita condição de retorno à Pátria Celeste que é a nossa origem e destino final. Por isso a Semana Santa inicia no Domingo de Ramos abrindo uma porta para vivenciarmos o fato mais importante de toda a história da humanidade. Foi a partir da entrada de Jesus em Jerusalém que o plano de Deus para a redenção da humanidade entra em sua fase conclusiva onde os próximos acontecimentos da sua missão culminarão com a Paixão, Morte e Ressurreição.
Assim sendo, a liturgia do Domingo de Ramos deve nos levar a refletir sobre esta realidade transcendente que nos reporta à necessidade e à importância de vencermos a imprescindível luta contra o pecado que é a própria luta de Cristo e da Igreja. Não podemos nos deixar convencer pelo discurso relativista que se propaga por aí, muito menos podemos pensar que o cristianismo é uma religião de contentamentos com as coisas deste mundo, mas ao contrário, somos chamados por Jesus a desprezar os valores deste mundo e abraçar o que é eterno, ou seja, a Sua proposta de salvação que consiste na vivência concreta dos preceitos de Deus. Como nos ensina o Apóstolo Paulo: “Considero tudo como perda diante da vantagem suprema que consiste em conhecer a Cristo Jesus. Por causa dele, eu perdi tudo. Considero tudo como lixo, para ganhar Cristo e ser encontrado unido a ele, não com minha justiça provindo da lei, mas com a justiça por meio da fé em Cristo, a justiça que vem de Deus, na base da fé. Esta consiste em conhecer a Cristo, experimentar da sua ressurreição, ficar em comunhão com os seus sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na sua morte, para ver se alcanço a ressurreição dentre os mortos. Não que já tenha recebido tudo isso ou que já seja perfeito. Mas corro para alcançá-lo, visto que já fui alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, eu não julgo já tê-lo alcançado. Uma coisa, porém, eu faço: esquecendo o que fica para trás, eu me lanço para o que está na frente. Corro direto para a meta, rumo ao prêmio que, do alto, Deus me chama a receber em Cristo Jesus” (Fl 3,8-14).
Então, é necessário vivenciar a Semana Santa com intensidade, com presença, ir à igreja, celebrar com o povo, e assim, rememorar este tão grande gesto misericordioso de Jesus que conquistou para cada um de nós a possibilidade de voltarmos ao convívio de Deus.

Luiz César Martins
Grupo de Oração Fonte Viva do Santíssimo Sacramento

Arquidiocese de Curitiba (PR)

RCC Bahia celebra a edição 2019 do encontro para lideranças

A Renovação Carismática Católica (RCC) do Estado da Bahia realizou nos dias 30 e 31 de marçoo Encontro Estadual de Coordenadores e Núcleo de Grupo de Oração,no Colégio Santo Antônio, nos Capuchinhos e no Colégio ECASSA, em Feira de Santana. Participaram do Encontro cerca de 1000 pessoas, entre Coordenadores de Grupos de Oração e Ministérios de todo o estado. Este ano o Encontro teve como tema: Grupo de Oração, lugar de Santidade.

Na manhã de sábado, 30, o Encontro aconteceu no Colégio ECASSA e iniciou com orações marianas e animação. Os Coordenadores Diocesanos de Ministérios reuniram-se com o Coordenador Estadual de Ministério para rezar, planejar e traçar metas e formações. Os demais encontristas permaneceram no Colégio Santo Antônio e participaram das pregações, adoração ao Santíssimo e Santa Missa.

A Presidente do Conselho da RCC da Diocese do Distrito Federal, Keila Souza, foi a primeira a pregar e teve como tema: Dimensões do serviço. Em sua pregação, inspirada pela passagem de Ef 3, 18-19, ela enfatizou que o Senhor tem propósitosdivinos para cada um, que toda dimensão (comprimento, largura, altura e profundidade) de Deus ultrapassa os conhecimentos humanos. Ela destacou ainda que Deus quer que todos estejam plenos d’Ele e assim, envolvidos nos serviços cristãos destinados a cada um e dando continuidade a missão de Cristoem todo o mundo.

Keila apresentou algumas dimensões do serviço cristão, a saber: a)identidade (escolha, chamado, capacitação divina - cooperação humana e envio); b) salvífica (o serviço se torna a mão de Deus aos outros dando continuidade a Sua obra de Salvação); c) relacional (relacionamento com o outro – comunhão com Deus e os irmãos)d) comportamental (testemunho de santidade, obediência e humildade entranhada); e) comunitária (Santíssima Trindade, unidade na diversidade e cooperação mútua na Igreja); f) esponsal(alto grau de comprometimento, cf. Rm 12, 11-12); g) mandamental(o cumprimento do Mandamento de Deus: Amarás a Deus de todo o teu coração e ao próximo como a si mesmo).

A 2ª Pregação ficou por responsabilidade do Presidente do Conselho Estadual, Frederico Mastroangelo, com o tema: Entrando na Tenda. Ele apresentou a figura de Moisés (Ex 33, 7) que foi escolhido por Deus para libertar o povo da escravidão do Egito e destacou que até os dias atuais, Deus segue escolhendo e não erra nas Suas escolhas, ainda que existam dificuldades e murmurações. É importante, contudo, ir sempre a Tenda do Senhor para escutar o querer de Deus. Por fim, Frederico exortou aos coordenadores a serem como Moisés e núcleo a ser como Josué. Para finalizar a parte da manhã, ocorreu o momento de Adoração ao Santíssimo, onde os presentes puderam se colocar em oração e louvor.

A 3ª pregação, também realizada por Keila Souza, teve como tema: Escuta e discernimento. Destacou a necessidade de silenciar e buscar escutar atenciosamente o Senhor, além de conhecer a Deus para facilitar o discernimento. Portanto,O Núcleo do Grupo de Oração deve diariamente ouvir a Deus e discernir Seu querer. Ao final do dia, o Pe. Evangevaldo de Almeida, Assessor Eclesiástico da RCC Feira de Santana presidiu a Santa Missa. Em sua homilia, ele comentou a importância em aprofundar as raízes em Deus para gerar novos frutos. O Padre também lembrou sobre o período quaresmal e orientou aos fiéis a se despir soberba e preguiça.

No segundo dia do Encontro, as pregações tiveram como temas: Autoridade Espiritual e Grupo de Oração em Saída. Ricardo Santos, Presidente do Conselho da RCC de Caetité, ministrou a primeira pregação e exortou: “Coordenadores, vocês têm a obrigação de cumprir a vontade de Deus”. Ele reforçou a necessidade de ser batizado e estar em estado de graça como fatores necessários para obter autoridade espiritual e fazer-se cumprir sua obrigação. Elencou ainda 6 pilares fundamentais: 1) intimidade; 2) santidade/retidão; 3) arrependimento; 4) obediência; 5) docilidade do Espírito e 6) testemunho. Por fim, Fernando afirmou que o Espírito Santo deve agir nos Grupos de Oração.

A Presidente do Conselho da RCC Distrito Federal foi a responsável pela última pregação e ressaltou que o Grupo de Oração é na vida de cada um e ponto de saída para uma vida nova. Keila convocou a todos a serem como os apóstolos, que não esperaram o povo e sim iam ao encontro do povo. Sendo assim, não é válido esperar que o povo venha a nossos Grupos de Oração e sim sair em missão indo até onde as pessoas se fazem presente. Ao final, ela utilizou o Documento de Aparecida nº 548 em que afirma a necessidade de ir ao encontro das pessoas, das famílias das comunidades, dos povos para comunicar o amor de Cristo.

O Encontro foi encerrado com a Santa Missa presidida por Dom Zanoni Demetino Castro, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Feira de Santana. Em sua homilia, ele também convidou os presentes a agirem como discípulos missionários e peregrinar a fim de apresentar Deus a todos os povos.

Por fim, Frederico apresentou o Conselho Estadual e anunciou que o Congresso Estadual da RCC 2019 será e Porto Seguro. 

Adinezia Pereira Cristo
Grupo de Oração  Beata Helena Guerra
Ouriçangas - Bahia

RCC Salvador organiza Caravana rumo ao XIX Congresso Estadual em Porto Seguro

O XIX Congresso Estadual da Renovação Carismática Católica da Bahia 2019 já tem data marcada. O encontro acontecerá em Porto Seguro entre os dias 25 e 27 de outubro. Neste ano, teremos o tema “O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5b). Para participar Deste grande momento da Família Carismática, a RCC Salvador está organizando uma Caravana rumo ao sul do Estado com duas opções: sem city tour e com city tour. 

A primeira opção sem city tour sairá de Salvador (local a confirmar) no dia 25 de outubro, às 20 horas. Já o retorno está programado para o dia 27 de outubro, às 13 horas. Quem optar por conhecer uma das cidades turísticas mais procuradas na Bahia, a saída acontecerá no dia 24 de outubro, às 21 horas. O city tour inclui um passeio pela parte histórica de Porto Seguro e Santa Cruz de Cabrália (local onde foi Celebrada a Primeira Missa no Brasil). O retorno também está agendado para o dia 27 de outubro, às 13 horas. 

O Presidente do Conselho Arquidiocesano da RCC Salvador, Elissandro Trindade, destacou a importância de viajar na caravana, o que representa a unidade cristã: “ir junto com os irmãos da Arquidiocese, em oração, é um sinal de unidade.”

As formas de pagamentos para as duas opções são variadas: à vista, boleto bancário ou cartão de crédito, que pode ser dividida em até 10x, sendo que crianças até 4 anos não pagam. No entanto, para se juntar ao grupo na Caravana COM CITY TOUR a reserva precisa ser feita até o dia 03 de maio de 2019. 

O valor inclui Ônibus Double Deck 5, hospedagem com café da manhã e jantar, transfer durante o Congresso, seguro viagem e serviço de bordo. 

Confira abaixo as formas de pagamento para a Caravana SEM CITY TOUR: 
R$ 410 / À vista
3x 150,00 / Cartão
4x 113,00 / Cartão
6x 78,00 / Cartão
10x 51,00 / Cartão 
Boleto bancário: 3x 140,00 (Maio a Julho)

Formas de pagamento para caravana COM CITY TOUR
R$ 570 / À vista
3x 207,00 / Cartão
4x 156,00 / Cartão
6x 109,00 / Cartão
10x 70,00 / Cartão 
Boleto bancário: Entrada de R$ 70,00 + 3x 167,00 (Maio a Julho)

Para mais informações, basta entrar em contato com o escritório da RCC Salvador pelo telefone (71) 3321-4745. O escritório fica localizado na Av. Joana Angélica, 41 – Nazaré.

Keyla Santos

Ministério de Comunicação Social da RCC Salvador

14 fatos sobre São João Paulo II, cujo inesquecível papado terminou há 14 anos


O Papa que veio de longe se tornou uma das figuras mais amadas e respeitadas da história da Igreja

1 – O Papa São João Paulo II esteve à frente do terceiro pontificado mais longo de todos os tempos: 26 anos, 5 meses e 17 dias. Só foram mais longos que o dele o papado de São Pedro (cerca de 37 anos) e o de Pio IX (31 anos, 7 meses e 23 dias).

2 – Chamado de “Papa Peregrino”, São João Paulo II visitou nada menos que 129 países, em 104 viagens apostólicas internacionais. Além delas, foram mais 146 viagens dentro da Itália. Tornou-se icônico o seu gesto de beijar o solo de cada país ao qual chegava.

3 – Entusiasta e firme defensor da família, criou em 1994 os Encontros Mundiais das Famílias. A segunda edição, em 1997, foi no Rio de Janeiro, em 4 e 5 de outubro.

4 – Amado e apontado pelos jovens como um líder exemplar da humanidade, ele criou e impulsionou as Jornadas Mundiais da Juventude, hoje um “clássico” entre os grandes eventos católicos internacionais. No de 1995, nas Filipinas, ele reuniu a maior aglomeração humana já registrada até então em toda a história da humanidade: 5 milhões de pessoas em torno à Santíssima Eucaristia, durante a Santa Missa de encerramento em Manila. Este recorde mundial só foi quebrado por outra Santa Missa, também rezada em Manila: a do Papa Francisco em sua visita apostólica de janeiro de 2015, que reuniu 7 milhões!

5 – São João Paulo II foi eleito Papa em 16 de outubro – festa de Santa Margarida Maria Alacoque, a promotora da devoção ao Sagrado Coração de Jesus, da qual floresce a devoção à Divina Misericórdia.

6 – Profundamente devoto de Nossa Senhora, dedicou a ela o lema do seu pontificado: “Totus tuus ego sum, Maria, et omnia mea tua sunt” (Sou todo teu, Maria, e tudo o que é meu é teu).

7 – Foi o primeiro Papa polonês, o primeiro a vir de um país comunista, o primeiro a entrar em uma sinagoga, o primeiro a entrar em uma mesquita, o primeiro a receber uma delegação oficial da Igreja Ortodoxa Grega desde o cisma de 1054 e o primeiro e único a ser atingido por um tiro e dar entrada num hospital público. Além disso, em 14 de novembro de 2002, tornou-se o primeiro Papa em 150 anos a visitar o parlamento italiano: seu discurso na ocasião foi tão eloquente que o mafioso Benedetto Marciante, capo da Cosa Nostra, se entregou à polícia.

8 – São João Paulo II sofreu um gravíssimo atentado em plena Praça de São Pedro: levou dois tiros, em 13 de maio de 1981 e, após superar uma série de complicações, pôde deixar definitivamente o hospital no dia 14 de agosto. 13 de maio é dia de Nossa Senhora de Fátima; 14 de agosto é véspera da Assunção de Nossa Senhora aos Céus. Em referência ao auxílio de Nossa Senhora neste episódio a que sobreviveu quando os próprios médicos duvidavam de que conseguisse, ele resumiu: “Uma mão disparou. Mas outra mão guiou a bala”.

9 – São João Paulo II não apenas falava fluentemente o latim, coisa rara em nossos tempos, como também conversava em eslovaco, russo, italiano, francês, espanhol, português, alemão, ucraniano e inglês, além, é claro, da sua amada língua materna, o polonês. Quando jovem, além de trabalhar pesado em uma pedreira, ele era praticante de esqui, montanhismo e remo, estudava teatro e literatura polonesa e chegou a atuar e escrever peças.

10 – São João Paulo II era especialista em São João da Cruz e na tradição mística do Carmelo. Uma das suas teses de doutorado (sim, porque ele não tinha um, mas dois doutorados!) era, justamente, “A Doutrina da Fé em São João da Cruz”.

11 – São João Paulo II batizava em sua capela privada os filhos dos seus mais modestos colaboradores.

12 – Uma pesquisa feita nos Estados Unidos indicou que o mais cativante na sua figura era o sorriso, a devoção mariana, o domínio de várias línguas e o amor pelas crianças e pelos pobres. Em outra pesquisa com estudantes de Portugal, Espanha e América Latina, foi apontado em primeiro lugar como a pessoa mais admirada do mundo.

13 – Uma montanha do Polo Sul recebeu o nome de Papa João Paulo II em homenagem aos seus 25 anos de pontificado.

14 – Em 28 de abril de 2005, o mesmo mês em que João Paulo II tinha falecido (no dia 2), o Papa Bento XVI dispensou no caso dele os cinco anos normalmente necessários após a morte de alguém para iniciar a sua causa de beatificação e canonização. O mesmo Bento XVI o beatificou em 1º de maio de 2011. O Papa Francisco o canonizou em 27 de abril de 2014, junto com São João XXIII.

Portal Aleteia