Slider

Vídeos

Notícias

Ministérios

Artigos

Formação e Espiritualidade

RCC Bahia

RCC Brasil

» » » Os 4 graus de amor no casamento, segundo São Bernardo Claraval

Em que nível está seu casamento? Como você pode trabalhar para conquistar um relacionamento feliz e duradouro?

Às vezes eu me pergunto se a maneira como escrevo sobre casamento tem um tom de falsa esperança. Costumo descrevê-lo como um caminho para a felicidade que nos leva ao limiar do Céu. E isso é verdade. Eu acredito em cada palavra.
No entanto, não há como negar que o casamento é muitas vezes uma série de mensagens de texto frenéticas entre os cônjuges para descobrir quem está pegando qual filho depois de praticar esportes, quem tem alguns minutos extras para fazer o jantar e quem deve chamar o encanador.

Os casamentos são um desafio supremo, porque a substância do amor matrimonial está em pequenos atos não revelados de amor. Os casamentos não são cimentados por histórias de romance extasiado, mas isso não significa que não sejam felizes, realizadores e cheios de amor.

O truque para nós é identificar o que realmente é o amor e nos lançar em seus braços com energia renovada. Antes que possamos fazer isso, um pouco de conhecimento ajuda: como nos amamos melhor? Como é realmente o amor verdadeiro?

Nem todo amor é criado da mesma forma. Nós amamos de muitas maneiras diferentes. Por exemplo, posso compartilhar, sem fôlego, a foto de um delicioso hambúrguer gourmet e delirar com o quanto eu o amo, ou ligar uma música no rádio, cantando alto junto com o som que eu amo. Mas esses tipos de amor são muito diferentes do que o marido e a esposa compartilham, que também é diferente do amor que os pais têm por um filho ou um amigo tem por um amigo.

Mesmo dentro de um casamento, a qualidade do amor pode não ser consistente. Eu sei, por exemplo, que no meu casamento há dias em que sou capaz de demonstrar amor pela minha esposa melhor do que outros dias. Por mais que me esforce para amá-la perfeitamente, meu amor próprio e preguiça frequentemente interferem. Não deve ser uma notícia chocante – afinal, a maioria dos casais tem queixas e discussões de tempos em tempos.


O que pode ser mais surpreendente, porém, é a ideia de que os casamentos podem operar consistentemente, para o bem ou para o mal, em diferentes níveis de amor, e alguns tipos de amor estão associados a relacionamentos bem-sucedidos, enquanto outros podem levar a problemas.

Um casal em um casamento duradouro se esforça para alcançar o mais alto nível de amor, o que serve de base para o relacionamento, mesmo quando o casal passa por dias ruins.

São Bernardo Claraval, um monge do século 11, escreveu um livro chamado O amor de Deus, no qual explica como desenvolvemos um amor perfeito por Deus. Para isso, ele descreve quatro graus de amor e como passar de um nível para o outro.

A rigor, seu conselho é para uma jornada espiritual e, para Bernardo, esses níveis representam um caminho para Deus. Um casamento, no entanto, pretende imitar o amor que Deus tem por nós, e é por isso que o casamento é sagrado. É lógico, então, que os quatro graus de amor podem ser aplicados ao casamento.

Os conselhos de São Bernardo podem ajudar-nos a “melhorar” nosso casamento. Aqui estão os quatro graus de amor (e atenção: o nível final é surpreendente).

Nível 1: Amor a si próprio

A maioria dos casamentos nem se formaria nesse estado, no qual cada parceiro só pensa em si mesmo, mas talvez alguns tenham começado dessa maneira. Um casamento nesse nível pode permanecer junto por conveniência ou por um benefício mútuo social ou financeiro, mas Bernard diz que devemos reconhecer que esse estágio é destrutivo.

Uma pessoa neste estágio deve parar, “seguindo seus próprios desejos de destruição ou ficando escravizada por paixões que são inimigas do seu verdadeiro bem-estar”. Em outras palavras, o amor próprio acaba sendo prejudicial, porque nos escraviza aos nossos desejos. Muito melhor oferecer o amor pessoal ao seu cônjuge.

Nível 2: Amor egoísta

O amor a si próprio pode melhorar para um estado em que os cônjuges realmente se amam, mas por razões egoístas. Isso é amor, porque consigo extrair algo disso. Pode ser o amor romântico, que fornece uma corrida emocional e um senso de validação. Suspeito que muitos relacionamentos iniciem nesse nível, mas os casamentos que ficam presos aqui podem facilmente terminar se um dos cônjuges alegar que o relacionamento não atende mais às suas necessidades pessoais.

Nesse ponto, a dependência mútua não funciona mais. Bernardo aconselha que, para avançar a partir desse estágio, devemos pensar por que a pessoa que amamos é tão benéfica e, “então, percebendo o quão boa ela é, sentimo-nos atraídos por amá-la desinteressadamente, ainda mais poderosamente do que quando atraídos por nossas próprias necessidades de amá-la de forma egoísta.”

Nível 3: Amor pelo bem do outro

Se eu conseguir atingir o nível em que amo minha esposa simplesmente porque ela é maravilhosa, meu amor se transforma e se torna menos egoísta. Eu quero que ela tenha sucesso. Eu não tenho ciúmes dela. Não me preocupo muito com minhas próprias necessidades. Esse grau de amor é muito mais forte do que o que veio antes, porque pode sustentar um casamento nas dificuldades.

Bernardo diz: “Esse amor é digno de nota, porque é espontâneo. É puro, porque não é mostrado em palavras, mas em obras e verdade. É justo, porque retribui o que recebeu.” Em outras palavras, um casamento nesse nível é cheio de gratidão, e desenvolve cônjuges que pensam no que podem contribuir para o casamento.

Nível 4: Ame a si mesmo porque seu cônjuge ama você

Foi o que achei surpreendente, mas faz sentido quando você pensa sobre isso. Um casamento que atinge esse nível é aquele em que começo a me ver como minha esposa me vê. Não sou mais auto-consciente, ansioso ou duvidoso sobre o nosso relacionamento. O amor de minha esposa me faz amar mais a mim mesmo e me chama a atenção. Faz-me querer ser uma pessoa melhor.

Esse grau de amor é um presente que damos um ao outro, como Bernardo deixa claro: “Esse grau que nenhum esforço humano pode atingir: está no poder de Deus entregá-lo a quem Ele quiser”. Poderíamos reformular assim: está no poder do cônjuge doá-lo. Quando um casamento atinge esse grau de amor, torna-se uma inspiração e fonte de força mútua.

Se continuarmos subindo os graus de amor, não acho que seja uma falsa esperança acreditar que nossos casamentos podem ser absolutamente incríveis, cheios do amor mais profundo e permanente.

Fonte: Portal Aleteia

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga